Contato: mlvalladao@yahoo.com.br
19-96558108

Realizo consultas e vacinações domiciliares em Campinas,
nos bairros Santa Genebra, Taquaral, Primavera, Costa e Silva, Curry, Guanabara, Castelo, Barão Geraldo, Real Park, Bosque, Alphaville, Jd Miriam, Santa Mônica, São Marcos e arredores.


Mutirão de Castração ONG GAAR

Link do blog do Gaar com a divulgação do mutirão no bairro Piracambaia, Campinas

http://bloggaarcampinas.blogspot.com/p/nossa-patria-e-traida-pelos-seus-filhos.html

Campanha de Vacinação Contra a Raiva

Divulgando ....

Campanha de Vacinação Contra a Raiva Canina e Felina no Estado de Sao Paulo 2011,não tem previsão para ocorrer.

Maiores informações:
http://www.crmvsp.gov.br/arquivo_destaque/Doc_vacinacao_CCZ.pdf



Moléstias do útero



Foto: Comparação de cornos uterinos de gata. Cornos uterinos em tamanho normal (esquerda) e cornos uterinos distendidos e apresentando conteúdo anormal intrauterino (direita).


Piometra

Embora o acúmulo de líquido asséptico no útero possa ocorrer (Hidrometra / Mucometra), normalmente, quando há distenção uterina em cadelas e gatas, existe infecção bacteriana secundária (Piometra).
A Hiperplasia endometrial cística que é induzida pelo hormônio progesterona é a primeira lesão para o desenvolvimento da Piometra. Por esse motivo, cadelas ou gatas que recebem doses do hormônio para evitar prenhez indesejada são as mais acometidas pela doença.


Os sintomas da Piometra podem ser inaparentes nas fases iniciais da doena, aparecendo somente quando a doença já está em estágio bastante avançado. Os sintomas incluem: apatia, aumento da ingestão de água e da micção, aumento de volume abdominal, falta de apetite, vômito, diarréia, podendo ou não haver secreção vaginal de coloração variável (amarelada, esverdeada, achocolatada).
A evolução do quadro leva a desidratação, ruptura uterina, septicemia ou endotoxemia e morte.
O diagnóstico pode ser realizado através de radiografia e ou exame ultrassonográfico abdominal.
O tratamento da Piometra com medicamentos antibióticos, via oral, normalmente não é eficaz. A remoção cirúrgica dos cornos uterinos e ovários (castração) é o procedimento indicado, porém, existe certo risco de vida durante a cirurgia devido ao quadro de toxemia que tais animais apresentam.
A prevenção pode ser feita realizando a castração (ovariosalpingohisterectomia) da fêmea.


Referência Bibliográfica: S J Ettinger. Manual de Medicina Interna Veterinária. Ed Manole Ltda. 1996